A Avaliação Clínica do Paciente com Hiperatividade e ou Déficit de Atenção: Mitos e Verdades

O transtorno de Déficit de Atenção e/ou Hiperatividade é um tema bastante debatido nos dias de hoje. Fica explícito que é comum, no âmbito da psicologia clínica, ouvir-se queixa de pacientes que apresentam inquietude, desatenção, irritabilidade, agitação, entre outros comportamentos, pois, desestabilizam o ambiente de aprendizado. O TDAH surge com maior constância na primeira infância, por volta dos três anos de idade, principalmente no sexo masculino caso não for bem tratada pode afetar até a vida adulta. É de suma importância realizar mais estudos a fim de esclarecer questões ainda existentes sobre o problema e difundir conhecimentos básicos para a população que, na grande maioria das vezes, não aceitam o TDAH como uma doença e acabam rotulando as crianças como preguiçosas, desatentas, impulsivas, distraídas mal-educadas e inquietas em qualquer ambiente ou situação. A fim de esclarecer os tipos de avaliação, mitos e verdades sobre o TDAH realizou-se uma pesquisa bibliográfica.