Aspectos teologicos, epistemológicos e escatológicos da parábola do bom samaritano

O presente artigo tem por objetivo apresentar uma visão unificada entre a hermenêutica textual e alegórica, tomando como base a parábola do bom samaritano, apresentada pelo Senhor Jesus Cristo narrado no o Evangelho de Lucas capítulo 10 dos versículos 25 a 37. Historicamente, no passado alguns teólogos como Orígenes e Agostinho apresentaram interpretações ditas alegóricas desta parábola, contudo posteriormente, teólogos modernos como Jonh Stott refutaram esta interpretação, entendendo que não se poderia dar ao texto outra interpretação que não fosse uma textual, restringindo sua hermenêutica e exegese exclusivamente ao fato narrado na parábola diante deste impasse, surge a necessidade de analisar a possibilidade de harmonizar ambos os entendimentos, a fim de que o máximo de conhecimento e ensinamento sejam extraídos do texto, levando em consideração a boa exegese e hermenêutica, o contexto da época, em que foi escrito, a motivação da proposição da parábola e a quem ela se destinou, e qual o impacto que ela causa com seu ensino tanto no passado quanto nos dias atuais e no futuro.

PALAVRAS-CHAVE: Hermenêutica. Textual. Alegórica. Harmonia.