O ENSINO DA HISTÓRIA DA ÁFRICA NA SALA DE AULA E AS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PARATINGA APÓS O ADVENTO DA LEI 10.639/2003

O presente trabalho pretende discutir especificamente que políticas o município de Paratinga está implementando após o advento da lei 10.639/2003 para que a cultura afro-brasileira ganhe visibilidade e minimize o preconceito racial no cotidiano escolar. Enquanto se é educador, defrontam-se todos os que trabalham neste meio com o que se pode chamar de relações preconceituosas raciais. Isto deve-se ao fato de muitos desconhecerem a História das Civilizações e em especial a da África, e assim, perdemos um pouco de nossa identidade. Neste trabalho, somos apresentados às dificuldades encontradas na tentativa de sintetizar os principais aspectos da História da África no que diz respeito a cultura afro-brasileira. Dessa forma, desperta em nós, docentes, a consciência crítica necessária para bem exercer nossa profissão e contribuir para desvelar essa temática tão importante para a sociedade brasileira e evitar assim, o preconceito. A partir de uma reflexão sobre as ideias desenvolvidas na pesquisa, tem-se que os aspectos mais importantes atribuídos à dimensão da sala de aula e à ação educativa é a de reconhecer a importância de desenvolver ações educativas antirracistas e valorizar nas práticas educativas as representações sociais que atingem o processo educacional para o desenvolvimento da escola verdadeiramente democrática. Entende-se que propor políticas eficientes que visem à superação das desigualdades sociais e raciais, bem como a mobilização de todos em torno de um projeto de sociedade mais justa, tem sido um desafio para o estado, mas que se faz necessário adotar estas políticas por serem capazes de corrigir as desigualdades.