EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NÃO PODE SER RESPONSABILIZADA PELA OBESIDADE INFANTIL

Brenda Diana dos Santos; Roberto Rocha Costa

RESUMO
O crescimento da obesidade infantil é, e deve ser, uma preocupação de nossa sociedade, mas qual será a real possibilidade de a Educação Física Escolar influenciar para evitar/combater esse problema social? Esse estudo tem como objetivo apresentar conceitos que indicam como o exercício físico pode evitar e/ou reverter a obesidade, além de descrever objetivos da Educação Física e suas possibilidades de intervenção. A obesidade está relacionada à alimentação, fatores psicossociais e com a intensidade e volume dos exercícios físicos. Fatores esses que não são relacionados diretamente com as aulas de Educação Física e/ou não são a realidade dessa disciplina escolar. Portanto não é possível responsabilizá-la por seu aumento, nem a apontar como a solução para o problema. Tendo em vista que a obesidade é multifatorial, o processo de amenização do aumento da epidemia não depende apenas da disciplina escolar, mas de um conjunto de ações para obter resultados significativos.

REFERÊNCIAS

AMARAL, Carla Mayelli Dias; OLIVEIRA, João Ricardo Gabriel de; SAMPAIO, Adelar Aparecido. Estratégias e ações na prevenção da obesidade em escolares. Lecturas: Educación Física y Deportes, v. 21, n. 222, 2016.
ARAUJO, Débora Fernandes de. Educação física escolar como meio de controle e prevenção à obesidade infantil. 2015. 26f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Física) – UniCEUB, Brasília, 2015.
BARBOSA, Brena Barreto; PINTO, Maria Soraia; MEIRELES, Ana Vaneska Passos. PERCEPÇÃO DE CUIDADORES DE CRIANÇAS OBESAS ACERCA DA OBESIDADE INFANTIL. SANARE-Revista de Políticas Públicas, v. 17, n. 2, 2018.
BETTI, Mauro; ZULIANI, Luiz Roberto. Educação física escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v. 1, n. 1, 2009.
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2017.
DE AZEVEDO, Fernanda Reis; BRITO, Bruna Cristina. Influência das variáveis nutricionais e da obesidade sobre a saúde e o metabolismo. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 58, n. 6, p. 714-723, 2012.
DOS SANTOS, André Luis; DE CARVALHO, Antônio Luiz; JÚNIOR, Jair Rodrigues Garcia. Obesidade infantil e uma proposta de Educação Física preventiva. Motriz. Journal of Physical Education. UNESP, p. 203-213, 2007.
GUEDES, Dartagnan Pinto. Educação para a saúde mediante programas de Educação Física Escolar. Motriz. Journal of Physical Education. UNESP, p. 10-15, 1999.
HERNANDES, Flavia; VALENTINI, Meire Pereira. Obesidade: causas e consequências em crianças e adolescentes. Conexões, v. 8, n. 3, p. 47-63, 2010.
HINO, Adriano Akira Ferreira; REIS, Rodrigo Siqueira; AÑEZ, Ciro Romélio Rodriguez. Observação dos níveis de atividade física, contexto das aulas e comportamento do professor em aulas de educação física do ensino médio da rede pública. Revista brasileira de atividade física & saúde, v. 12, n. 3, p. 21-30, 2007.
LINHARES, Francisca Michelli Medeiros et al. Obesidade infantil: influência dos pais sobre a alimentação e estilo de vida dos filhos. Temas Saúde, v. 16, n. 2, p. 460-81, 2016.
LOPES, Franz Carlos Oliveira. A reforma curricular da secretaria da educação do Estado de São Paulo: entre cultura corporal de movimentos e competências. Brazilian Applied Science Review, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 2-18, jan./mar. 2018.
MARCOLAN, Simone Gobi et al. OBESIDADE INFANTIL E A CONTRIBUIÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. ÁGORA Revista Eletrônica, n. 24, 2017.
MATSUDO, Victor Keihan Rodrigues; MATSUDO, Sandra Marcela Mahecha. Atividade física no tratamento da obesidade. Einstein (São Paulo), v. 4, n. supl. 1, p. S29-S43, 2006.
SABIA, Renata Viccari; SANTOS, JE dos; RIBEIRO, Rosane Pilot Pessa. Efeito da atividade física associada à orientação alimentar em adolescentes obesos: comparação entre o exercício aeróbio e anaeróbio. Rev Bras Med Esporte, v. 10, n. 5, p. 349-55, 2004.
SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas tecnologias. 2.ed. São Paulo: SEE, 2011.
SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo: Educação Física. São Paulo: SEE, 2008.
SILVA, P, H. M. et al. A diversidade cultural e os currículos do curso superior de licenciatura em educação física. Coleção Pesquisa em Educação Física, Várzea Paulista, v.14, n.1, p.07-14, 2015.
SILVA, Vanusa Pereira da; ZURITA, Robsmeire Calvo Melo. Prevalência dos Fatores de Risco da Obesidade Infantil nos Centros Municipais de Educação Infantil do Município de Maringá-PR-2010. Saúde e Pesquisa, v. 5, n. 1, 2012.
TAHARA, Alexander Klein; DARIDO, Suraya Cristina; BAHIA, Cristiano de Sant'nna. Materiais didáticos e a educação física escolar. Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde, v. 15, n. 3, p. 368-379, 2017.
TEIXEIRA, A. L. S.; DESTRO, D. S. Obesidade infantil e educação física escolar: Possibilidades pedagógicas. Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery, v. 9, p. 1-15, 2010.

Participe você também da maior rede acadêmica da Educação Física Escolar. Entre em contato se tiver mais dúvidas.

rebescolar@rebescolar,com

 

Tel. +55 (11) 98508-7766

©Copyright™ 2014 por REBESCOLAR®
  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon

Bottom

Top